01/11/2018

EMBRIÃO DE UMA IDEIA PARA REDUZIR A CORRUPÇÃO (*)


Criação da Agência Nacional de Obras de Infraestrutura e Mobilidade (ANI).

OBJETIVO PRIMÁRIO: 
Criar o Cadastro Nacional de Obras de Infraestrutura e Mobilidade a serem realizadas nos 3 níveis da federação, visando contribuir para um melhor planejamento e o aprimoramento dos modelos de licitação.


OBJETIVOS ADICIONAIS:

- Institucionalizar a exigência de Projeto Executivo.
- Comparar as etapas executadas com o previsto no cronograma inicial, premiando, de alguma forma, as obras bem executadas.
- Analisar os pedidos de inclusão de Aditivos, oferecendo um laudo técnico avalizando ou não a necessidade do pedido.

Pessoas mais capacitadas poderão avaliar esta ideia e desenvolvê-la ou não.

(*) Ideia encaminhada hoje para o presidente eleito através de seu endereço de e-mail da Câmara dos Deputados. Se alguém tiver outro caminho, por favor me informar.

28/10/2018

CARTA ABERTA AO PRESIDENTE ELEITO

Caro Presidente,

A apuração está encerrada e o senhor recebeu o voto de mais de 57 milhões de eleitores brasileiros. Em 1º de janeiro próximo o senhor será empossado, recebendo, como símbolo, a faixa presidencial verde-amarela. É básico, fundamental, ter absoluta clareza quanto ao fato de que, a partir de agora, o senhor está comprometido com mais de 210 milhões de cidadãos. Mas nestes pouco mais de 60 dias que nos separam da posse, todos estes brasileiros esperam que o senhor se dedique a montar uma estrutura de governo que coloque o Brasil nos trilhos do desenvolvimento e, simultaneamente, promova a redução do déficit público, da carga tributária, da desigualdade, da criminalidade, do desemprego e da corrupção. Serão tarefas complexas que exigirão propostas de solução eficazes, capacidade de negociação e paciente determinação para atingir as metas possíveis.  

Se lhe endereço esta carta aberta, é por um sentimento de receio quanto aos rumos que pretende dar em questões vitais para a democracia que desejamos - a considerar suas mais recentes falas. É, portanto, com este espírito, misto de esperança e temor, que lhe apresento, para reflexão, minhas percepções sobre o que a grande maioria dos cidadãos brasileiros desejam.

O senhor foi eleito, em primeira instância, pela percepção de ser o único candidato que nos daria a oportunidade de livrar o país das nefastas ideias do esquerdismo retrógrado que destruiu o país em 14 anos de incompetência e roubalheira, e ameaçando se perpetuar no poder. Nosso voto, em sua candidatura, foi, antes de tudo, voto anti-esquerdização. Sei que isto é reconhecido pelo senhor e sua equipe, mas ser humilde perante este fato, será seu primeiro grande teste como presidente eleito.

Seu discurso de combate à criminalidade foi seu segundo atrativo como candidato. Os 60 mil assassinatos anuais nos dão uma visão superficial da enormidade do problema, e uma sensação de impotência que nos faz olhar para soluções radicais pelo medo constante de sermos a próxima vítima. Mas estão cegos aqueles que enxergam em nosso voto vontade de matar.  Nosso voto é pela vida. Nosso desejo utópico é para que não hajam mais mortos. Queremos  menos e não mais violência! As causas da criminalidade são muitas, algumas de difícil ou dispendiosa eliminação, outras dependem exclusivamente da ação de governos de países vizinhos, mas a que considero a principal e de mais fácil solução, é a de uma drástica redução da massa de excluídos do sistema econômico. Nossas comunidades mais carentes estão repletas de excluídos, sem trabalho, sem perspectiva de futuro. Se até o direito de sonhar lhes foi tirado, o que resta? Estamos frente a algo muito simples: no extremo, se não existirem excluídos, onde os psicopatas criminosos irão recrutar seus soldados? Na semana antecedente a este segundo turno, a mídia divulgou com destaque o fato de que existem 12 mil obras públicas paralisadas em todo o Brasil! Fazendo um cálculo simples, se todas forem rapidamente retomadas e se a média por obra for de 500 trabalhadores, serão gerados, em curto espaço  de tempo, 6 milhões de empregos! Esta é a prioridade que os brasileiros querem que seja eleita. Redução do desemprego e consequente e imediata redução da violência em uma só ação do governo.

Nas escolhas de nomes para o primeiro e segundo escalão, temos nossas apreensões. Além das razões ligadas ao fracasso da gestão e à corrupção do período petista, o voto anti-esquerda foi um sonoro "não" ao totalitarismo pretendido e anunciado no plano de governo da coalização dos partidos de esquerda e presente nas ameaças públicas feitas por seus próceres, entre elas: indulto a condenados (presos ou não), aniquilação da Lava-Jato, tomada de poder à força, convocação de nova constituinte, controle da mídia e outros autoritarismos de toda espécie. É crucial que das linhas e entrelinhas do resultado destas eleições, seja percebido que os brasileiros não querem ditadura de qualquer espécie e viés. Queremos democracia mais e mais aprimorada. Mas é aí que o senhor nos tem enviado mensagens incompatíveis com nossa vontade manifesta. Não queremos o retorno de um militarismo no comando do país. Militares, por essência e obrigação, são subordinados à uma hierarquia rígida que não admite processos democráticos que levam em conta o jogo de forças contrárias. É fundamental que assim seja para o cumprimento do papel das Forças Armadas como prevê a Constituição. Admitir um militar da reserva como seu vice, é plenamente justo e aceito por todos como ficou provado. Admitir um General da ativa como Ministro da Defesa, é sensato e correto. Mas é aí que a participação de militares no poder deve terminar, pois, do contrário, o senhor e todos nós estaremos sob o jugo das baionetas.


Nosso voto incluiu apoio a medidas que nos liberem das cargas que o Estado brasileiro veio, ao longo das últimas décadas, aumentando sobre nossos ombros. Queremos relações ágeis e fáceis com as instituições do Estado; queremos uma federação real, de fato, que dê aos estados e municípios mais recursos e mais autonomia; queremos incentivo ao empreendedorismo; queremos menos cartórios, menos carimbos, menos certidões e, principalmente, menos Estado que tudo quer controlar, nada controlando, apenas facilitando a corrupção institucionalizada.

Se invocar Deus em seu slogan de campanha serviu como mensagem para atrair mais votos neste país em que a crença cristã é maioria, mas não única, daqui em diante queremos respeito  ao princípio de uma nação laica, onde a religião, ou sua ausência, é questão de foro íntimo e assunto de alçada exclusiva da família, não sendo, portanto, seara de intromissão do Estado. Do mesmo modo e na mesma intensidade, queremos a escola pública longe de qualquer ideologia, seja política, de cor ou de gênero. A escola, em especial a do ensino fundamental, é o espaço, por definição, reservado para, em apoio à família,  ajudar a criança  a se tonar um adulto capaz de fazer suas próprias escolhas, se responsabilizar por elas, e conduzir-se ao longo da vida. Uma ideologia, qualquer que seja, quando tomada como verdade universal e imposta pelo Estado, é mãe da intolerância e madrasta da escravização das mentes dos cidadãos. Ideologias devem ser tratadas unicamente nos seus espaços próprios e exclusivos, cuja entrada é livre aos que, na maioridade, lhes sejam simpáticos, adeptos ou apenas curiosos.


Queremos o  fim do "nós e eles". Somos todos cidadãos brasileiros. Vivemos sob as mesmas leis, sob mesmos sistemas político, econômico e jurídico. Queremos cotas somente como investimento naqueles indivíduos que as fizerem por merecer. Queremos que os de mentes mais capazes, expatriados  involuntários, voltem a trabalhar aqui contribuindo  para nosso desenvolvimento. E se não queremos um governo militar, também não queremos, por imposição, uma escola pública obrigada a impor a alunos e professores padrões de comportamento militar ou, mesmo que  levemente, subordinada à hierarquia da caserna. Do mesmo modo que qualquer instituição (inclusive o Exército) tem o direito de apresentar seu modelo de ensino, cada família tem que ter, como inalienável, seu direito de escolher aquela que entender ser o melhor para a educação de seus filhos. A prioridade, portanto, não está em impor um modelo de ensino, mas de garantir escola para todos, com professores qualificados, ensino em horário integral, instalações de qualidade e acesso às novas tecnologias que conectem os estudantes ao mundo dinâmico em que vivemos. Se o direito às escolhas for suprimido em qualquer medida ou questão por um governo, proclamar defender a liberdade  se torna pura hipocrisia de um fascismo tentando se disfarçar de democracia.


Por fim, presidente, queremos reforçar nosso desejo de inclusão de todos num novo Brasil, um país voltado para o progresso de todos. Queremos colocar o país numa nova estrada. Uma estrada asfaltada por princípios liberais e democráticos. E queremos que daqui a 4 anos possamos nos orgulhar da escolha que acabamos de fazer e possamos eleger alguém que dê continuidade à construção desse futuro tão previsto, tão imaginado, mas que nunca chega. Zelar por isto, mais que um compromisso, será seu maior legado na presidência da República. 


Como mensagem final, repito palavras proferidas pela Ministra Carmem Lúcia em recente decisão.

Fonte EBC:  “(...) toda forma de autoritarismo é iníqua. Pior quando parte do Estado. Por isso, os atos que não se compatibilizem com os princípios democráticos e não garantam, antes restrinjam o direito de livremente expressar pensamentos e divulgar ideias são insubsistentes juridicamente por conterem vício de inconstitucionalidade.”

Fonte G1: "O processo eleitoral, no Estado democrático, fundamenta-se nos princípios da liberdade de manifestação do pensamento, da liberdade de informação e de ensino e aprendizagem, da liberdade de escolhas políticas, em perfeita compatibilidade com elas se tendo o princípio, também constitucionalmente adotado, da autonomia universitária."

Fonte O Antagonista: “Sem liberdade de manifestação, a escolha é inexistente. O que é para ser opção, transforma-se em simulacro de alternativa. O processo eleitoral transforma-se em enquadramento eleitoral, próprio das ditaduras”, escreveu a ministra."



Paulo Vogel

20/10/2018

NOSSO DESPREZO E O PTSESPERO

Nós, que fazemos parte do Brazil, nós, que pertencemos aos 0,5% dos lares brasileiros que assistem a GloboNews, nós que estamos tentando entender o momento deste país para votar em seu futuro, nós que conhecemos a "filosofia" por trás das manchetes e reportagens do jornal Folha de São Paulo, nós que ficamos vendo e repassando mensagens a favor de Bolsonaro e contra o Laddad, nós que acompanhamos a Lava-Jato na caça aos mentores deste colossal processo de assalto aos cofres públicos, nós que estamos engajados em mandar o PT para a cova, nós sabemos perfeitamente o desespero dos dirigentes desta agremiação e dos políticos acobertados por ela. Nós, por isso, compreendemos que só lhes restam pedir a cassação de Bolsonaro, antes do pleito, antes da posse ou mesmo depois, do contrário muitos terão o mesmo destino de seu "grande líder": a cadeia. Mas e este imenso Brasil? E os brasileiros que estão acordando às 4 da matina para embarcar em 3 horas de trens, ônibus, carroças, lombo de burro, ou mesmo de pé no chão, para chegar ao trabalho (os que ainda o têm), será que sabem? 

Minha resposta é um grito de SIM a plenos pulmões, pois um número é inquestionável:

79,8% dos eleitores brasileiros desprezam o PT.



O "povo", que o PT se arvora em ser o único defensor, é composto de, no máximo, 21,3% dos brasileiros. 

Mas para os que eventualmente questionem este argumento tão cabal, cito uma pesquisa do instituto DataFolha, empresa que mesmo integrando o grupo Folha, constatou que "69% dos eleitores de Jair Bolsonaro o apoiam porque ele não é o PT".

Negar, negar, negar. Negar que sabia. Negar que roubou. Negar os mal feitos. Negar erros políticos. Negar responsabilidade sobre os 13 milhões de desempregados. Negar a recessão. Negar corrupção, ou, pior, justificá-la pelos fins.  Negar pelo poder a qualquer custo. A negação é assim definida pela psicologia freudiana: "É um mecanismo de defesa que basicamente é recusar-se a reconhecer que um evento ocorreu. A pessoa afetada simplesmente age como se nada tivesse acontecido, se comportando de maneira que outros podem ver como bizarro. (...) a pessoa simplesmente 'faz vista grossa' para uma situação desconfortável".(1)

Paralelamente acusar, acusar, acusar. Neste processo valem acusações falsas, quanto mais falsas, melhor, pois estas levarão muito tempo para serem comprovadas como tal. Até lá é a intenção e desejo deles já terem cooptado, comprado, corrompido agentes da justiça para estabelecer suas "verdades". 

Repetir, repetir, repetir as acusações. Até que, por insistência, os descrentes comecem a ter dúvidas. 

Tais comportamentos estão na base dos indivíduos psicopatas.(2) Só psicopatas têm desprezo inato por outros seres humanos. Só mentes doentias são capazes de realizar com tamanha intensidade e determinação tal empreitada.

A transmutação de Laddad é a prova mais cabal do nível de calhordice, canalhice que já se viu. Não vou me alongar, pois já escrevi o que penso sobre alguém tão abjeto. Alguém que se deixou transmutar em um não-de-si-mesmo com o único propósito de salvar toda a cúpula petista e seus "companhêros" por uma egoísta razão: salvar a própria pele, e por isto, por apenas isto, vale tudo. Só sendo não-Laddad(3) explica alguém aceitar entrar para a história como o maior capacho humano que este país já produziu.

O desprezo pelo petismo já está registrado na história do país. Mas ainda não nas urnas. Portanto, não se iluda, de hoje até dia 28, o ptsespero irá viver 24 horas por dia na busca de construir qualquer narrativa (e ações radicais) que possam contribuir para tirar Bolsonaro da vitória. Como eles mesmos já nos preveniram no passado: nós não sabemos dos que os dirigentes e militantes radicais do PT são capazes de fazer. Todos, agora, em pânico.



(1) Fonte: Site Psicoativo
(2) Ver aqui o significado psicopata
(3) Editorial do Estadão do dia 20/10/2018 em resposta às acusações feitas pela Folha.



14/10/2018

LADDAD, O ABJETO

“Um senso fundamental de dignidade é concedido desigualmente às pessoas ao nascer.”
F. Scott Fitzgerald, escritor, roteirista e poeta norte-americano

No começo, era Luladdad, o Poste, a representação imagética que seu Criador escolheu para representá-lo perante "o povo", a massa inculta e ignorante de manobra (na perspectiva da esquerdopatia). Ocorre que a criatura se mostrou incompetente e não atingiu os objetivos esperados pelo seu criador que, em caindo a ficha, chutou-o de seus aposentos, digo, cela, deixando-o à própria sorte ou azar, já que só poderia contar com seus acólitos e lambe-botas do PT.  
 
Enquanto persona (2), Luladdad sempre se mostrou um sem-caráter. Não emitia uma opinião que não fosse ditada pelo Criador. Dia sim, dia não, se ajoelhava aos pés do criador pedindo seus conselhos, saber o que fazer e o que dizer. Até mesmo ao se levantar, antes mesmo de escovar os dentes, em voz alta (e até mesmo na TV) dava seu "Bom dia, meu criador".
 
Agora, ainda obediente e subserviente, assume uma nova persona, Laddad, o Abjeto. Para  merecer tal adjetivo, Laddad, faz de tudo:

1 - Se transmuta em social-democrata, por pouco não reivindica ser o principal fundador do PSDB, o esfacelado partido de FHC.  
 
2 - Se aproveita de um modo canalha da fragilidade do adversário que sobreviveu a uma tentativa de assassinato traiçoeira e covarde, acusando-o de fugir do debate em TV, quando todos sabem do risco de vida que ele ainda corre.
 
3 - Apaga de sua propaganda (onde foi possível) a imagem do seu criador. Tudo é válido desde que seja avaliado como "conveniente" ao projeto insano de poder a todo e qualquer custo. Os meios justificam os fins, principalmente, os fins mais inescrupulosos.
 
4 - Mente, principalmente, mente. Sobre si mesmo e sobre seu oponente. Mente sobre suas verdadeiras intenções se e quando estiver no poder.
 
5 - Finge renegar cláusulas pétreas do programa de governo do PT, como convocar nova Constituinte, como se tivesse alguma autoridade sobre os psicopatas no comando da quadrilha (Gleise Hoffmann, José Dirceu, Jackes Wagner,  Dilma Roussef, Lindbergh Farias, Rui Falcão etcaterva). Quem, com mínimo de inteligência, acredita na declaração de Laddad de que José Dirceu não faria parte de um improvável seu governo? Aliás, quem governaria efetivamente se eleito?

6 - Rasteja aos pés de todos os perdedores, inclusive dos partidos que compõem o centrão, prometendo cargos e sabe-se lá o que mais, desde que declarem apoio à sua farsa.
 
7 - Tendo o PT se reduzido a 29% de eleitores, Laddad vendo as propostas vencedoras de seu oponente, tenta assumi-las como se também fossem suas (respeitar a Constituição, aumentar o combate à violência, reduzir o Imposto de Renda para os salários mais baixos etc).
 
8 - Insistem, o Abjeto e o PT, em se atribuírem "democratas" e  "progressistas" verdadeiros, quando são exatamente o contrário, pois a única democracia que aceitam é aquela onde só eles mandam (vejam vídeo de Jacques Wagner abaixo), e cujas ações nos últimos anos nos levaram exatamente na direção contrária à do progresso.  Progressista é aquele que deseja o progresso. Como eles podem ser "progressistas" quando tudo o que eles fazem é levar o país em direção à idade média?
 
9 - Mas Laddad às vezes escorrega, não se controla e diz o  que eles realmente pensam: criar uma democracia com liberdade de expressão de todo o funcionalismo estatal (depois virão os outros) estará condicionada à opinião deles. Ou minha interpretação desta declaração que ele deu em 17 de setembro de 2018 é equivocada? 
"Hoje se fala o que se quer porque não há uma hierarquia. Quem estiver na hierarquia no futuro governo, tem que defender a democracia." A democracia deles evidentemente. "Quem estiver sob o comando da presidência da República, vai ter que defender a democracia. Não vai ter acordo com quem quer sabotar a democracia no Brasil. Não teremos discussão sobre isso. Isso aqui é um Estado Democrático de Direito, que não deve ser questionado nem com gestos, nem declarações, nem nada." Stalin e Mussolini estão ansiosos para ressuscitar e fazer parte do governo de Laddad. Ele fecha com esta ameaça ao funcionalismo: "Não se brinca com a democracia. Vai pra rua no dia seguinte, com ato disciplinar. Divergências democráticas tudo bem". Funcionários públicos, vejam lá em quem vão votar!

10 - O PT-Laddadismo tem a desfaçatez de pretender os votos do nordeste, a região mais abandonada pelos governos do PT, bastando, para comprovar, olhar os índices de analfabetismo, próximos de 22% nos estados do Maranhão e Piauí, e de 17% nos demais estados. Manter o povo inculto e pobre, foi e é a grande tática que eles praticaram por 14 anos e pretendem manter para a eternidade.  

11 - Até onde irá esta monumental farsa PT-Laddadista? As 20 horas do próximo dia 28, saberemos.
 
Laddad, tal como seu criador, é um sem-caráter (3). É um tapete gasto a ser pisoteado pela história. Um sem escrúpulo. Laddad, como seu criador,  é lobo em pele de cordeiro. Uma pergunta fica martelando: por quais motivos, por quais interesses eles querem tanto o poder? Ou, de onde vem tanto medo de não se eleger que faz alguém se colocar tão baixo, tão reles, tanto moralmente quanto eticamente? E por que eleitores que não admitiriam tal comportamento de seus amigos, parentes, filhos, fazem vista grossa no caso  dele, do criador e do PT?
 
Se falsidade ideológica é crime, porque o MPF ainda não ajuizou ação contra a sociedade entre PT, a quadrilha dos irmãos "Ponto 30" (metralhadora é pouco), e Laddad, o Abjeto? A sociedade PT-Laddad é tão nociva ao país, que seus integrantes não têm qualquer vergonha em abandonar seus tão "sagrados" símbolos (vermelho, estrela, foice e martelo) e adotar os símbolos do adversário para com ele se confundir e confundir o eleitor desavisado. 
 
Acha que estou exagerando? Não subestime o terror que os quadrilheiros estão sentindo pela proximidade da derrota neste segundo turno. O dinheiro que desviaram saqueando as empresas públicas e os cofres do Tesouro Nacional e, muito mais ainda, desviaram do BNDES para suas republiquetas amigas do Foro de São Paulo e além-mar, é uma espada sobre suas cabeças. Para se livrarem da cadeia, só há uma saída: vencer estas eleições ou "tomar o poder" nas palavras de José Dirceu(4), seja lá o que signifique esta ameaça. E para isso eles estão sendo capazes de tudo. Por exemplo: depois de perder de forma acachapante no primeiro turno com uma campanha estruturada para eleger o criador através da persona da criatura, eles não têm a menor vergonha de, no segundo turno, tentar desvincular a criatura do criador. Uma tentativa ridícula de passar uma borracha imaginária na história e nas mentes dos cidadãos!!!

A mente humana ainda é uma caixa de surpresas. Desconhecemos os mecanismos mentais por trás de muitas ações de nossos semelhantes. Principalmente do que é capaz uma massa em movimento. Tenho certeza que eu, todos  nós, teremos muito a refletir e aprender com o resultado do dia 28/10/18. Temos um processo eleitoral como jamais visto e, creio, jamais voltaremos a ver dada a porrada na cara que todos estamos levando pelos processos, ações e movimentos permitidos pelas novas mídias sociais (para o bem e para o mal). Uma coisa é certa, nenhum outro povo(5) - no sentido correto da palavra -  do mundo está se desenvolvendo tanto politicamente quanto o brasileiro.
 
Quanto ao "povo" (no sentido populista do termo) do Brazil(6), não há dúvida de que têm claro entendimento dos caminhos que temos como opção. Somos uma ilha de prosperidade nesse imenso continente Brasil. E aqueles que  mais precisam de uma liderança que os conduzam para o desenvolvimento - único caminho para a redução da miséria -, será que enxergarão além da ponta do dedo do pé e perceberão a verdadeira alma desses hipócritas psicopatas da união PT-Laddad a tempo de identificá-los como tais? A resposta só teremos ao final do dia 28.


(1) Abjeto: adjetivo substantivo masculino - que ou o que é desprezível, baixo, ignóbil.

(2) Persona: substantivo feminino - na teoria de C.G. Jung, personalidade que o indivíduo apresenta aos outros como real, mas que, na verdade, é uma variante às vezes muito diferente da verdadeira.

(3) Caráter: substantivo masculino - é um conjunto de características e traços relativos à maneira de agir e de reagir de um indivíduo ou de um grupo. É um feitio moral. É a firmeza e coerência de atitudes. O conjunto das qualidades e defeitos de uma pessoa é que vão determinar a sua conduta e a sua moralidade, o seu caráter. 

(4) José Dirceu: "(...) é uma questão de tempo pra gente tomar o poder. Aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição", afirmou ao jornal El País.


(5) substantivo masculino - conjunto de pessoas que falam a mesma língua, têm costumes e interesses semelhantes, história e tradições comuns.


(6) Uso Brazil com "z" para me referir a todos nós que o acaso e o esforço pessoal agraciou com oportunidades para alcançarmos o nível de vida que todos deveriam poder almejar. 

 

02/10/2018

DESCRENTES, O SEU VOTO DEFINE O FUTURO DO BRASIL

Já que tem tanta gente dando sua opinião nas redes sociais, então aqui vou eu também. 

Gravo esta mensagem apenas como um cidadão brasileiro. Ela é endereçada principalmente aos que, em relação ao cargo de presidente, pensam em não votar; é endereçada também aos que estão propensos a votar em branco ou em anular o voto; e a todos os que ainda não decidiram em quem votar. Como cidadão, em eleições passadas estive em todas estas situações. Mas não nesta eleição. Nesta eleição de 2018, ou eu faço uma escolha e a registro na urna eletrônica, ou estarei cometendo o maior erro da minha vida. 

Eu explico. Existem duas razões para esta convicção e que vou apresentar para serem avaliadas por você. A primeira é que nesta eleição não vamos eleger candidatos para os próximos 4 anos. Não  vamos eleger candidatos por suas qualidades ou defeitos pessoais na percepção de cada um de nós, seja para nos governar, seja para nos representar no Congresso. Não. Nós vamos escolher aqueles que vão apoiar e implantar um entre dois sistemas políticos. Em especial no caso de Presidente da República, temos nesta reta final do primeiro turno, dois candidatos que não importam em si mesmos como indivíduos: eles apenas representam as duas correntes políticas e econômicas de interesses e valores opostos. De um lado aquela corrente que pretende aumentar o tamanho do Estado e desestabilizar a família (*) como principal instituição da vida social; de outro, a corrente que quer preservar e proteger a família dos ataques da esquerda comunista e diminuir o tamanho do Estado tornando-o mais eficiente e dando liberdade e dinamismo para a sociedade como um todo, e garantindo aos cidadãos a autodeterminação sobre suas escolhas, sobre suas vidas, livrando-nos da tutela de um Estado opressor. Sendo mais claro: não está (e não pode estar) em avaliação as competências e as crenças pessoais dos candidatos, seja Luladdad ou o Mito. Ao votar estaremos manifestando o que desejamos deixar para nossos filhos e netos: a pobreza endêmica dos países totalitários, ou a possibilidade de nos tornarmos um país desenvolvido como as de tantos países democráticos do ocidente. E eu não quero que eles venham me apontar o dedo no futuro porque nosso legado foi uma Venezuela.org.BR! 

Resumindo: ou escolhemos um futuro com ditadura-comunista ou um futuro com democracia-capitalista. E a escolha é nossa, quer dizer, sua.

Sim, sua. E aqui chego à segunda razão. Quando você não vota em um candidato, você está deixando que outras pessoas decidam o seu futuro. Eu entendo nossa desilusão com os políticos. Mas, um Estado-Nação como é o Brasil, a política é condição necessária e básica para a definição das prioridades da sociedade. E só sob a democracia é que a política pode funcionar plenamente. Quando você se omite de fazer uma escolha, está consequentemente aceitando qualquer resultado, e qualquer resultado significa o resultado que outros desejaram. E você deixou de manifestar sua vontade. Vote, não se omita. Se omitir é sua pior opção. Eu prefiro deitar minha cabeça no travesseiro sabendo que contribui para o processo democrático. Se o caminho escolhido ao final não for a minha opção, poderei dizer: bem eu fiz minha parte e me orgulho de pertencer ao grupo dos opositores. Do contrário, contarei com a sorte ou então amargarei para sempre a vergonha de ter me acovardado.   

E aí, qual será sua escolha?

Descrentes, o seu voto define o futuro do Brasil.



(*) O objetivo da erotização de crianças.

(**) Bolsonaro fala sobre a Cartilha do PT ensinando sexo às crianças.



Aula "prática" de sexo para crianças.

27/09/2018

REFLEXÕES CAÓTICAS: Façam suas Apostas!



A 10 dias do primeiro turno destas eleições de 2018, vivenciamos o que "nunca antes na história" do mundo e, em particular, do Brasil, aconteceu. Novas variáveis, ou variáveis significativamente modificadas, tornam imprevisível o resultado final.

Se em 2014 a internet em muito pouco contribuiu para o debate político-eleitoral, em apenas 4 anos a disseminação/distribuição de informações, verdadeiras e falsas, pelas redes sociais, se tornou o fundamental meio para os candidatos chegarem ao cidadão, eleitor ou não, bastando-nos ver o exército de internautas, pagos e/ou voluntários, que os principais postulantes à presidência montaram. Nesta dimensão, isto é novo.

As leis eleitorais mudaram. Mudou a fonte de financiamento. Reduziu-se o prazo de campanha e consequentemente o tempo de televisão e rádio. O poder judiciário, em especial o STF, é instado a dar respostas aos mais inconcebíveis (a esta altura) questionamentos. Ontem o Supremo reuniu-se em plenário  para decidir sobre o óbvio: se o prazo de cadastramento biométrico venceu, então, venceu! Hoje, terá que se pronunciar sobre quanto os partidos devem - ou podem, ainda não se sabe este detalhe - gastar com propaganda de candidatas!!! Isto num país em que nem as próprias candidatas a vereadora votaram nelas próprias na eleição municipal de 2016 que teve quase 14.417 candidatas sem receber nenhum voto!!! Ver no site do TSE.)

Se em 2014, um candidato não concorreu por ter sido fatalmente vitimado em um acidente de avião, neste 2018 temos, como líderes da corrida até aqui, um presidiário a quem a justiça eleitoral vem permitindo que se apresente como candidato fantasma e alter-ego de sua representação física, e outro que há 3 semanas conduz sua campanha da UTI de um hospital, após ser esfaqueado em uma tentativa de assassinato.

Enquanto a eleição presidencial passada foi pautada pelo confronto entre esquerda radical e esquerda moderada, PT/PSDB, e os nomes envolvidos tinham alguma relevância, a deste ano os nomes não têm qualquer importância, pois está radicalizada entre extrema esquerda, PT, (com todos os partidos do espectro unidos após o primeiro turno, se houver) e uma pretensa extrema direita solitária, PSL (poucas adesões são previstas). Numa formulação mais simplificada: ou somos p-tilulistas, ou somos anti-p-tilulistas.

Adicionemos a isto, o viés politicamente correto que norteia os embates entre as facções. De um lado, ataca-se o outro por homofobia, racismo e machismo. Já o outro ataca o um por corrupção, aparelhamento ideológico das instituições do Estado e implantação da ideologia de gênero nas escolas públicas.  De uma lado, deseja-se incrementar o processo estatizante dos últimos anos, enquanto o outro quer esvaziar o Estado transferindo praticamente tudo para a iniciativa privada. Não há acordo possível em tamanho grau de oposição.

Levando em consideração tais variáveis, quais são suas apotas, se é que você tem coragem ou falta de juízo suficientes para fazê-las?

As pesquisas de hoje indicam alguma coisa pra você?

As pesquisas da próxima semana serão mais indicativas?

O que influenciará mais a decisão de voto nesta eleição: o horário eleitoral, as mídias sociais ou os resultados de pesquisas?

Que peso efetivo terão as mídias sociais de hoje até dia 7 de outubro para a definição (manutenção ou mudança) do voto de cada cidadão?

As fake news se intensificarão daqui por diante ou já estamos cansados disso?
A radicalização se manifestará de algum modo na boca-de-urna?

Haverá segundo turno para presidente? 

Ou um dos candidatos fará maioria de 50% mais 1, já no primeiro turno?

Na hipótese de segundo turno, o que será "matador" como técnica de embate entre os dois candidatos: se construir ou desconstruir o adversário?

Considerando que as primeiras pesquisas pós resultado do primeiro turno mostrarão como as forças opostas se aglutinarão, o horário eleitoral e os debates poderão causar alguma mudança no quadro inicial observado?

Quem ganhar, conseguirá minimamente conduzir o governo por 4 anos ou continuaremos a nos aprimorar em contestação de toda sorte, até mesmo, e provavelmente, pedidos de impeachement?

Dado o caráter plebiscitário da eleição para presidente, é muito provável que o eleito o será por pequena diferença e o será por uma minoria se comparada com a soma dos votos do perdedor mais os votos não computados (branco, nulo e abstenção). Nesta hipótese, o vencedor conseguirá implantar suas propostas em curto e médio prazos tendo tanta oposição?

Se a esquerda ganhar, Lula será solto? Se solto, governará da Casa Civil? 

Se a direita ganhar, o exército terá algum papel nos rumos do governo e na estabilidade política?



FAÇAM SUAS APOSTAS! OU NÃO!








03/09/2018

REFLEXÕES CAÓTICAS: Vote. Você tem opção.



Seria infantil se advogasse que o Partido Novo é a grande panaceia salvadora da pátria. Não é. Nada é. Ninguém é. Entretanto é, indubitavelmente, um partido único entre os 35 hoje habilitados a existir. Em primeiro lugar, é o único partido que se recusa a usar recurso do fundo partidário. Em segundo lugar, é único em seus estatutos, pois, entre outros princípios: a) membro de diretório não pode ser candidato; b) reeleição de seus candidatos apenas uma vez; c) filiados devem ser "ficha limpa"; d) candidatos a candidato passam por um rigoroso processo de seleção; e) e muito mais propostas NOVAS em seu Estatuto. Conheça. Perca alguns minutos. E para saber votar, não importando em quem você vote,  só há um caminho para votar melhor: conhecer o currículo dos candidatos, e o que pensam e afirmam.

Se o Partido NOVO não é a solução para todos os males, e não é, posso fazer uma afirmação categórica: depois de décadas temos uma real opção de voto. A desculpa do "são todos iguais" não pode mais ser dada. Todos nós, descontentes com a política, mas que reconhecemos não haver outro caminho a não ser o do exercício da atividade política para a proposição de soluções para os problemas da sociedade, temos nesta eleição de 2018 uma opção de voto. Uma alternativa real para o início de uma caminhada em direção inversa à que vemos trilhando. Uma caminhada para o desenvolvimento e a inclusão social efetiva, em subterfúgios, alicerçada na liberdade para o indivíduo realizar tendo o Estado não como protetor, mas incentivador e premiador da livre iniciativa.

Não votar, votar em branco ou nulo, é se omitir, e os omissos, por princípio, perdem a razão. Não há alternativa, ou votamos todos e reinstauramos o regime democrático da maioria, ou vamos ter que nos submeter à minoria esquerdopata composta de 30% de militantes a pão com mortadela, ou ficar com o radicalismo à direita que pretende resolver os problemas complexos de uma nação contemporânea num mundo globalizado à bala.

Conheça o Programa de Governo do João Amoêdo.


Juntei alguns banners para divulgar a necessidade do voto junto a este contingente enorme de não-votantes. Se você gostar de algum, clique com o botão direito sobre ele, salve e distribua na sua rede social. Bom voto!

Aqui os banners criados por mim e meu dupla e amigo Hueliton Lucas.






















Aqui banners coletados na internet.












Se você também não gosta de hipocrisia na política, você precisa conhecer o PARTIDO NOVO https://novo.org.br

01/09/2018

REFLEXÕES CAÓTICAS: As Ideias de João Amoêdo


As ideias de João Amoêdo foram o ponto de partida para a criação do Partido Novo. O estatuto do Novo, portanto, reflete primordialmente princípios de vida adotados por ele e, obviamente, adicionado de contribuições daqueles que se associaram a ele por empatia. O Novo, portanto, é o único partido que verdadeiramente tem candidatos com discursos totalmente atrelados ao programa do partido. Mais que isso, para se para ser filiado já é exigido que você seja "ficha limpa", para ser candidato você precisa passar por processo seletivo onde é verificado quanto de suas ideias e práticas se coadunam com os princípios do NOVO. Votar, portanto, em seus candidatos não é apenas votar em outros candidatos que não estão tentando se re-eleger, é votar em candidatos que representem ideias novas.

Sou filiado ao NOVO porque me identifico com o liberalismo como sistema econômico e me posiciono politicamente como de centro direita por consequência. Gostaria, sim, de caminhar para algo que rotulo de capitalismo-social a ser atingido por um Estado que incentive e premie as empresas a terem uma visão de que quanto mais cidadãos forem incluídos no sistema produtivo, melhor e mais rápido será para todos. Os empresários de porte deveriam perceber que a partir de um certo ponto de seus negócios a estratégia de acumular mais e mais não acrescenta mais. Mais, com certeza, teriam de retorno se aplicassem mais em dar mais qualificação e incluir mais gente no mercado de trabalho.

Fui contra o dogma do NOVO de não usar dinheiro público para financiamento de partidos e de campanhas por uma razão muito simples: se você quer mudar as regras do  jogo, primeiro entre no jogo, ganhe, e então mude as regras. Hoje entendo, porque compreendo a determinação de verdade transparente que o partido quer manter, mas isto dificulta enormemente o trajeto para atingir seus objetivos e tem um caráter quixotesco implícito, mas não posso deixar de aceitar que grandes transformações só são possíveis quado se pensa e age "fora da caixa". 

Haverá possibilidade de superar os obstáculos ainda a tempo de vencer esta eleição  para presidente e mesmo de eleger 40 a 50 deputados federais como desejado? Ou isto não é tão importante quanto iniciar uma trajetória que possa resultar em sucesso em 2022? Será que podemos abrir mão do risco de ter agora uma continuidade da esquerda que nos legou uma enorme recessão ou termos uma cambalhota à extrema direita em nome de um início de expurgo da esquerdopatia que aparelhou totalmente as principais instituições do País com propostas de divisão entre nós e eles, entre brancos e outros, entre homens e mulheres etc.? Tais respostas começaremos a ter a partir de outubro.

Até aqui vim me posicionando a favor de Bolsonaro, não por ele, com quem não comungo a maioria de princípios de vida. Minha opção de voto não era nele mas na escolha de Paulo Guedes para seu super-ministro da Fazenda, um liberal convicto, que defende a necessidade de devolver urgentemente o poder aos cidadão através de descentralização política e redução das receitas do nível federal em benefício do aumento das receitas de estados e municípios. Mas isto também é uma proposta básica do Partido NOVO.

Sou radicalmente contra a aceitar que militares governam melhor do que civis. Há uma cegueira intencional para as tantas lambanças que fizeram. Aqueles que veem em Bolsonaro uma volta dos militares ao poder, fingem não ver que os militares devolveram o poder aos políticos exatamente por que o sistema de caserna com o qual estão afins é baseado em hierarquia rígida onde não há espaço para sistemas democráticos que inviabilizariam seu papel eficaz para o País. A caserna não aceita nada além de autoridade ditatorial. Os militares de hoje (como os de 64) não vão abrir mão de agir  em defesa do Brasil, seja contra intenções de fora ou de dentro. Mas se isto um dia for imperioso, o será, antes de tudo, por incompetência nossa (todos nós) e o será com o objetivo de correção de rumo, pontual e de curta duração. É minha convicção.

Em carta enviada aos Prefeitos, João Amoêdo afirma: "O NOVO acredita que o poder e a arrecadação devem estar mais próximos do cidadão e, por isso, devem estar concentrados nos municípios. O NOVO é favorável a reforçar o federalismo no Brasil. Descentralizar as decisões e a arrecadação, deixando mais recursos com os municípios e menos em Brasília. Assim, o cidadão pode exercer maior cobrança e fiscalizar melhor como é gasto seu dinheiro de impostos". E isto para mim é a prioridade número um. O poder invertido efetivamente, de baixo para cima. Do  cidadão para o Governante.

Hoje, mudei definitivamente meu voto, um voto que se pretendia útil. Mas que utilidade seria? Se voto no Bolsonaro e ele não ganha, deixei de votar com minha consciência e não ganhei nada. Se ele ganha, deixei de contribuir para o crescimento de uma proposta política com a qual me identifico fervorosamente. E para completar, se sou um ferrenho defensor de que as coisas não mudam no curto prazo, que o único caminho efetivo é plantar hoje para colher frutos amanhã, então não tenho mais nenhuma razão para não votar em total respeito à minha consciência.

Mudei meu voto. Voto em João Amoêdo para Presidente e voto em todos os demais cargos em candidatos do NOVO porque, se não vamos conseguir a renovação desejada, precisamos, no mínimo, iniciar tal processo elegendo gente que pensa e age diferente. Se você também quer conhecer mais o João, assista e essa oportunidade que lhe foi dada para expressar os valores do PARTIDO NOVO em palestra no BTG. Mais clara e completa impossível. 

Mas independente de em quem você votar para Presidente, vote em candidatos do Partido Novo para Governador, Senador, Deputado Federal e Deputado Estadual. É o caminho para iniciarmos uma renovação dos quadros políticos.

Se você também não gosta de hipocrisia na política, você precisa conhecer o PARTIDO NOVOhttps://novo.org.br

29/08/2018

REFLEXÕES CAÓTICAS: Elite Subsidiada II

O tema educação está nas pautas das entrevistas aos candidatos à presidente da república. Em especial, a gratuidade do ensino universitário. Não foi diferente ontem (28/8/18) com Bolsonaro na GloboNews.

Em maio de 1994 enviei mensagem à seção Cartas do Leitor de O Globo com o título Elite Subsidiada,  esta a razão de titular este post como Elite Subsidiada II. Daquela destaco esta frase: Que situação estapafúrdia é essa em que defendemos o direito de o pobre ter curso superior se ele nem ao menos sabe ler por falta de salas de aula, professores e material escolar?  Vinte e quatro anos depois, continuamos subsidiando ricos, mas gastando 6% do orçamento (50% acima da média dos países da OCDE), e com 7 milhões - dos 35 milhões de estudantes dos ensinos fundamental e básico - com defasagem de 2 ou mais anos causada por diversas razões (dados desta semana divulgados pelo UNICEF).

Em 1970 ingressei na USP. Minha escolha teve 2 motivos: fazer uma faculdade de excelência e sair de casa, criar asas, por este motivo as opções do Rio foram descartadas por muito próximas. Meu pai era um comerciante de classe média, mas já naquele momento tendo sua renda reduzida à metade do que houvera sido até 5 anos antes. Mesmo assim, ele faria, com prazer, um esforço para pagar uma faculdade particular. Eu, portanto, usufrui desta benesse do Estado em detrimento de alguém que efetivamente não poderia pagar nada. Tal como meus muitos colegas de classe cujos carros importados estavam estacionados à frente da faculdade.

Então o governo criou o financiamento estudantil (FIES) fazendo a alegria das universidades particulares que proliferaram em quantidade e baixa qualidade. Nunca entregamos tantos diplomas universitários a tantos analfabetos funcionais. E o problema não para por aí. Tenho a história de uma pessoa muito próxima que entrou para o sistema, poucos meses depois se acidentou gravemente, teve que interromper o curso, voltou meses depois, e hoje, ganhando pouco mais que o salário mínimo e tendo que contribuir significativamente com gastos da família, resolveu abandonar de vez, não sem antes ter que comparecer ao Banco do Brasil para negociar o pagamento de uma dívida de R$ 7.500,00 com o sistema por um diploma que jamais terá.

Nossos formuladores de políticas de educação esqueceram de levar em conta a realidade da vida de milhões de brasileiros. Este meu conhecido não vai se formar, não porque não tenha este sonho, é que a realidade dele é muito mais enfática do  que o discurso dos políticos.

E hoje, 30/08/18, o MEC divulga dados que nos dão conta de que mais de 70% dos que concluem o ensino médio não atingem o nível básico de conhecimentos em português e matemática. Provavelmente eles irão se integrar ao contingente crescente de analfabetos funcionais. A política de dar qualquer ensino desde que aumente a estatística simplista de mais gente nas escolas, só produz mais cidadãos frustados, pois serão preteridos pelo mercado de trabalho que optará, SEMPRE, pelos mais capazes. Como prêmio, tais "formandos" receberão a dívida do FIES a pagar em suaves prestações a serem deduzidas de seus salários em empregos de nível técnico se conseguirem.

Neste evento de divulgação dos estudos do MEC, o próprio ministro da Educação, Rossieli Soares, reconhece que o ensino médio está "no fundo do posso".

E assim vamos ficando cada vez mais para trás em relação aos países desenvolvidos, desenvolvidos porque descobriram o segredo do crescimento do desenvolvimento econômico que leva ao aumento da qualidade de vida.

Até quando vamos continuar na mediocridade da esquerdopatia crônica?

Encerrando, assistam aos vídeos abaixo:






Se você também não gosta de hipocrisia na política, você precisa conhecer o PARTIDO NOVO https://novo.org.br