23/03/2019

A CONSCIÊNCIA DOS EXCLUÍDOS - Parte III


A estrutura que dominou a organização das sociedades pós agricultura, foi, e ainda é, fundamentada em um grupo - não mais que 10% da população(*) - que manda porque detém o poder através da exclusividade do uso legal da força, e uma massa - os 90% restantes - de cidadãos cuja única opção era (ainda é) a obediência pelo simples fato de estar sempre muito atrás do momento de reação, independente de ter recursos para tal. Não é mais. Atenção: estou apenas apontando o que me parece óbvio. 

Da eternidade de tempo entre o envio da mensagem e o recebimento de um retorno, padrão na Idade da Pedra, passando por meses no início da Idade Média, por semanas e dias na Idade Moderna, e chegando a horas e minutos no mundo Contemporâneo do século XXI, foram milhares de anos de distância. Mas para chegarmos à instantaneidade da intercomunicação de nossos dias, bastaram 3 exatas décadas(**) desde que o cientista do CERN, Tim Berners-Lee, teve a ideia de criar uma rede mundial de computadores. Não tenho dúvida de que a virada do século XX para o XXI, ficará registrado na história como o momento responsável pela desestrutura radical das regras de condução das sociedades. Neste barco, ocidente e oriente, hemisfério norte e sul, estão todos enjoados e prestes a vomitar.

Basicamente, o que apresentei até aqui, tem o propósito de justificar, respaldar, as observações do parágrafo precedente e tentar imaginar as consequências que já se observa e como poderá vir a ser o futuro de médio e longo prazo.

Nas duas postagens anteriores, apresentei a ideia de que na maior parte da história evolutiva do homo sapiens, o conceito de frustração social faz um caminho gradativo da sua total inexistência até o estabelecimento, no indivíduo, do sentimento de consciência de excluído, de rejeitado, renegado por um sistema a que só privilegiados podem ter acesso. É nestas últimas décadas que tal consciência se expande através da Grande Rede, permitindo a conexão de todo excluído com seu semelhante em status social e vêm à tona o sentido grupal. Agora é a consciência dos excluídos. Não mais o indivíduo. Agora uma massa de cidadãos frustrados com suas desgraçadas vidas, não que o sejam tão desgraçadas, mas o são, obviamente, se comparadas à de uma minoria privilegiada com acesso a tudo, de saneamento básico a conexão com o mundo na palma da mão, passando por acesso a formação profissional, viagens pelo mundo, mulheres e homens que se parecem com deusas e deuses Gregos. Tudo isso, na maior parte da história, era desconhecido, distante, impreciso, e coisas de abençoados pela sorte. Hoje, interligados, interconectados, não estão mais sozinhos, não têm mais que se conformar com coisa alguma, não atribuem mais à sorte, aos astros,  ao acaso ou à providência divina tais benesses. Agora têm a consciência de que são a maioria, que podem se unir espontaneamente, dispensam, recusam lideranças, e como unidade de movimento, entendem que tudo tem que ser concedido a todos. Um pouco mais que isso: direito de todos, obrigação do Estado, esta supra-entidade da qual se espera mais do que se espera de uma divindade qualquer.  

Tomemos a discussão da reforma da previdência. Até o final do século XX, ninguém sabia quanto ganhava um deputado, um senador, um ministro do Supremo, um juiz de qualquer instância. Menos ainda quais eram as regras de aposentadoria destes ocupantes do poder. Hoje, as redes sociais estão entupidas de bits de informação mostrando como tudo funciona e o abismo de realidade econômico-financeira que há entre os ocupantes dos poderes e o cidadão da massa de trabalhadores que, na essência, os sustenta. Quem acredita que isto vai mudar? Quem apostará que a sociedade em Rede aceitará ser prejudicada em nome de reduzir um déficit orçamentário sem que os privilegiados abram mão de suas gordíssimas e injustificadas remunerações e passem a fazer parte de uma realidade vivida pela maioria? A resposta é: A Rede, o golpe não previsto na estrutura de poder.


Por quanto tempo mais a sociedade brasileira, em especial, irá aceitar os absurdos ganhos de todos os que ocupam posições na estrutura de poder, em qualquer nível? Por quanto tempo mais a sociedade aceitará conviver com a regra imoral do "efeito cascata", principalmente nas instituições do judiciário onde um aumento no STF se espraia por todas as funções de todos os órgãos abaixo? Que justificativa haverá para que 13 milhões de desempregados aceitem a monumental diferença entre o salário mínimo e a remuneração mensal total de um vereador, deputado, senador, juiz, desembargador etc?

Agora vamos dar uma olhada na violência no Brasil (acontece ao redor do mundo, mas não tenho base para tratar neste âmbito). A criminalidade aumentou desproporcionalmente ao aumento da população (atente para o gráfico). Veja a coincidência da realidade entre o aumento da instantaneidade da informação em Rede e o aumento da taxa de homicídios por 100 mil habitantes. Simples coincidência? Ou o gradativo aumento da consciência de excluído de um enorme contingente de cidadãos jovens que estão completamente frustrados frente à visão de total ausência de perspectiva de futuro?

Como podemos imaginar uma solução para tamanho contingente de excluídos que se defrontam todo santo dia, o dia todo, com as tantas novidades tecnológicas que lhes são ofertadas como obrigatórias, a 10 vezes sem juros e com a ameça de que o seu não consumo lhe deixará infeliz por não participar deste "maravilhoso mundo novo"? Como suportar ver tantas selfies, hipócritas, falsas, na quase totalidade (mas e daí?), de gente sempre feliz quando se é parte de 13 milhões de desempregados, enfrentando filas imensas de candidatos a uma vaga (quando há) improvável de ser conquistada ? É razoável imaginar que este contingente cônscio de sua condição inevitável de excluído irá permanecer passivo para sempre? A que atitudes reacionárias (no sentido básico da palavra) tamanha frustração pela consciência de excluído inevitável os irá levar? 

Até o próximo sábado.

(*) Distribuição da Renda no Brasil em 2017

(**) A primeira proposta de criação da WWW foi apresentada no dia 25 de março de 1989. Não por acaso, o Muro de Berlim vem abaixo em 9 de novembro do mesmo ano.


As imagens aqui inclusas foram obtidas na internet e sem identificação de autor. Caso você seja autor de alguma, por favor me informe. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê sua opinião. Discorde, concorde, acrescente, aponte algum erro de informação. Participe deste blog.

Obrigado.