30/07/2013

HABEMUS PAPA!!! (*)

Para que o e-leitor possa ter uma correta interpretação das opiniões que vou expor, antes de continuar é preciso esclarecer três coisas. A primeira é o fato de que sou ateu radical (um dia escrevo sobre isso). A segunda é que estive fora do país de 23 a 29 de julho, ou seja, não vivi a estada de Francisco, o Papa, no Rio de Janeiro. A terceira é que fechei minhas conclusões após: a) ter visto a multidão na praia de Copacabana; b) ter ouvido os relatos do motorista do taxi que me levou do Galeão para casa; c) ter assistido à entrevista feita pelo jornalista Gerson Camarotti na Globo News; e d) ter visto as manchetes de O Globo de 24 a 30 de julho (reproduzidas abaixo).
Há 8 anos os católicos não tinham Papa. Bento XVI, honrosamente, percebeu isto e renunciou. Sem o menor jeito para liderar massas, sentiu-se inútil para uma igreja católica perdida correndo atrás do tempo. Mas este fato só implicaria na troca de um indivíduo por outro. Não foi o que aconteceu.

Habemus Papa! Porque Francisco não se furta à liderança, ele à assume integralmente e, como ele mesmo admite, sem medo. Habemus Papa! Porque Francisco está promovendo a mudança de uma igreja silenciosamente conivente e levando-a para uma igreja surpreendentemente barulhenta. Habemus Papa! Porque Francisco não está preocupado com evangelização (trabalho melhor realizado por bispos e padres), mas sim colocar seus poderes e influência a serviço de mudanças que venham ao encontro dos anseios daqueles cidadãos que sobre/vivem fora dos eixos político e econômico (ver declarações dele abaixo). Habemus Papa! Porque seu carisma (proveniente de sua absurdamente autêntica postura de humildade) o coloca nas ruas junto com qualquer um de nós, inversamente a Bento, absurdamente distante de nós. Habemus Papa! Porque exorta os jovens a assumirem o futuro que inevitavelmente lhes pertence. Habemus Papa! Porque... bem, por que agora temos o líder para as causas sociais que, principalmente no Brasil, foram levadas para as ruas. Habemos Papa.

Habemus Líder! Porque Francisco fala para ser ouvido além das fronteiras do cristianismo. Porque chama as igrejas para uma união em torno da defesa de uma sociedade mais justa e fraterna e, textualmente, propõe deixar de lado, ignorar, as diferenças teológicas e dogmáticas. Habemus Líder! Porque Francisco se despe de autoridade prepotente sem abrir da responsabilidade quando convoca todas as nações para uma revisão de valores. Não quer converter, quer direcionar todos os barcos para um mesmo norte.Sua conduta, portanto, transcende a religião, ela é fundamentalmente política. Francisco, o Papa Cidadão.
 
No âmbito interno de sua Igreja, Francisco, o Papa, está, sim, atento às questões teológicas e aos problemas ligados aos desvios de conduta dentro e fora do Vaticano, mas não está subordinado a elas. Para ele, o prioritário neste momento, é se colocar a serviço das demandas que identificou em seu rebanho, e além, na humanidade.

Faço minha aposta. A Jornada Mundial da Juventude realizada no Rio de Janeiro no mês de julho de 2013, será vista pela história como o marco da uma correção de rumo para a igreja Católica. Mais do que isso, será um marco para uma correção de rumo no pensamento das castas dirigentes das sociedades ocidentais que obrigatoriamente terão que rever as prioridades de suas escolhas.

Francisco, o Papa, a briza de esperança que vem da Argentina. Quem diria!

(*) O correto mesmo seria eu ter usado "Habemus Papam", mas optei por deixar assim.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 
As manchetes de O Globo:

25/7 - PAPA CRITICA LIBERALIZAÇÃO DAS DROGAS NO CONTINENTE

26/7 - PARA PAPA SÓ A PACIFICAÇÃO NÃO BASTA

27/7 - SÓ O PAPA SALVA

28/7 - PAPA PREGA DIÁLOGO CONTRA PROTESTOS VIOLENTOS

29/7 - PAPA ESTIMULA JOVENS A PROTESTAR

30/7 - PAPA MODERNIZA DISCURSO SOBRE GAYS, MULHERES E DIVORCIADOS

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As falas de Francisco, o Papa:

"Entre a indiferença egoísta e o protesto violento  há uma opção possível: o diálogo."

"O futuro exige visão humanista da economia, evitando elitismos e erradicando a pobreza."

"Se uma pessoa é gay, procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, para julgá-las?"

"A mulher na Igreja é mais importante que os bispos e os padres. Acredito que falta uma especificação teológica."

"Os divorciados podem fazer a comunhão. Não na segunda união. Este problema deve ser estudado."

"Os homossexuais não devem ser discriminados e devem ser integrados à sociedade."

"Sempre pedi isso [que rezem por ele]. (...) Preciso da ajuda do Senhor. Eu, de verdade, me sinto com tantos limites, tantos problemas, e também pecador. (...) [o pedido] É um hábito, mas que vem da necessidade."

"É preciso dar-lhes [aos jovens] lugares para se expressar, e cuidar para que não sejam manipulados."

"Um jovem que não protesta não me agrada. Porque o jovem tem a ilusão da utopia, e a utopia não é sempre ruim. A utopia é respirar e olhar adiante."

"É o ambiente [o estado laico] capaz de abrigar todas as aspirações  religiosas."

"Com a cruz, Jesus se une (...) a tantos jovens que perderam a confiança nas instituições políticas, por verem egoísmo e corrupção, ou que perderam a fé na Igreja, e até mesmo em Deus, pela incoerência de cristãos e de ministros do Evangelho."

 

Um comentário:

  1. Fato é que esse homem exemplar conquistou todos, foi muito alem do fato de ser Papa, muito alem do Catolicismo. Um homem que eu gostaria que fosse clonado e espalhado pelo mundo, milhares de Jorge Bergoglio por aí fariam enorme diferença... Vigoroso, honesto, objetivo, inteligente, espertíssimo, generoso, simples, etc. e etc.

    ResponderExcluir

Dê sua opinião. Discorde, concorde, acrescente, aponte algum erro de informação. Participe deste blog.

Obrigado.